fbpx

#SigaOCLICK

Tais Araújo lembra crítica de Walcyr Carrasco por rejeitar fazer cena de sexo anal

MAIS LIDAS

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Tais Araújo, 42, lembrou nesta segunda (14), no Roda Viva (Cultura), que foi criticada por Walcyr Carrasco por ter se recusado a fazer uma cena de sexo anal na novela “Xica da Silva”, de 1996, exibida na extinta TV Manchete.

A atriz citou a desavença com o autor e com o diretor da trama, Walter Avancini (1935-2001), ao fazer uma pergunta para Zezé Motta, 77, a entrevistada da atração e que também fez o papel de Xica da Silva 20 anos antes de Tais no filme de Cacá Diegues, de 1976.

Ela recordou que o longa, embora tenha sido muito elogiado, também foi criticado por retratar a personagem-título por um viés erótico. “Quando eu fui fazer […], eu tinha de 17 para 18 anos, você fazia a minha mãe. No momento em que neguei fazer uma cena de sexo anal, o Walter Avancini e o Walcyr Carrasco foram publicamente dizer que eu estava transformando a Xica da Silva numa Maria Chiquinha”.

Na sequência, Tais perguntou: “Para Zezé Motta, quem foi Xica da Silva?”. Zezé respondeu que não sabia da crítica que a atriz tinha sofrido na época da novela. “Xica da Silva foi uma mulher fantástica, empoderada, corajosa, à frente do seu tempo. Mas as pessoas sempre encontram uma coisinha para criticar, mas a gente vai em frente.”

Tais completou que vê a personagem como uma mulher política também. “Sim, sim..e tem gente que não percebe. Fica falando só da coisa erótica, e não percebe que ela teve atitudes muito interessantes”, acrescenta Zezé.

Na sequência, Tais perguntou se a veterana não se sentiu incomodada com essa objetificação da mulher negra. Zezé respondeu que não se sentiu assim ao fazer o filme. “Mas e o olhar das pessoas?”, indagou Tais. “Sim. Ouvi muito, inclusive, durante entrevistas”, respondeu a atriz.

O trecho da conversa entre as duas foi ressaltado por Mauricio Stycer, colunista da Folha, no Twitter. A polêmica entre Tais Araújo e Walcyr Carrasco e Walter Avancini foi tema de reportagem da Folha na época.

“Ela fez exatamente aquilo que eu não queria. Se negou a fazer uma Xica da Silva sensual, porque queria se mostrar para a Globo. Preferiu ser uma ‘Maria Chiquinha’ a ser uma Xica da Silva, feminista e revolucionária. Ela tem talento, mas na Globo vai ser coadjuvante”, disse Avancini na ocasião.

“Seria ingênuo pensar que uma mulher negra, no garimpo, atraísse o homem mais rico do momento sem passar pela cama”, questionou Walcyr Carrasco na mesma reportagem. “A personagem foi um mito sexual.” Ele também acusou Tais de não ter sido “correta”, pois ela saberia que teria de fazer cenas sensuais.

Na época, a atriz argumentou: “Não que eu não concorde que Xica da Silva tenha sido sensual, mas ela foi, acima de tudo, uma mulher de atitude, inteligente. Para mim, aquela cena iria manchar a imagem de Xica.”

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Mais notícias