Cobertura

Rosinha mobiliza amigos para defesa de Anthony Garotinho e acusa Picciani e Zveiter

A ex-prefeita de Campos Rosinha Garotinho tem pedido apoio de amigos por redes sociais e mensagens de celular após a prisão de seu marido, o ex-governador Anthony Garotinho, na quarta-feira (13). Rosinha pede mobilização nas redes sociais em favor de Garotinho. Ela acusa ainda o presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Jorge Picciani (PMDB-RJ), e o desembargador Luiz Zveiter.

Leia mensagem:

Queridos amigos e amigas, minhas palavras não se referem ao meu marido mas ao homem que vem combatendo a corrupção de todo esse grupo que destruiu o estado deixando até os funcionários sem receber.
Peço a vocês que o defendam. Ele não está sendo acusado de desviar dinheiro público ou corrupção apenas de supostamente ter dado cheque cidadão aos necessitados.
Meu apelo. Vamos para as redes sociais dizer a verdade. Isso é e perseguição, pois Garotinho depois de combater a corrupção no executivo, entrou firme contra a corrupção no Legislativo simbolizada por Picciani e no Judiciário por Luiz Zveiter.
Querem calar a sua voz.
Vamos para os faces, os comentários dos jornais, ocupar todos os espaços e mostrar que isso é para impedir que ele mostre tudo que ainda tem e que compromete gente poderosa.
Entre em todos os espaços nas redes sociais.
Não roubamos. O Garotinho está sendo perseguido por combater os poderosos e os corruptos.

A prisão de Garotinho

O ex-governador Anthony Garotinho foi preso pela Polícia Federal, enquanto apresentava seu programa de rádio na Tupi, na manhã desta quarta-feira (13). Ele cumprirá prisão domiciliar e foi levado para Campos (RJ), onde deverá permanecer em sua residência com utilização de tornozeleira eletrônica.

O juiz Ralph Manhães, da 100ª Zona Eleitoral, determinou ainda que Garotinho tenha contato apenas com parentes próximos e advogados e que fique impedido de usar telefone celular.

Segundo o magistrado, Garotinho desviou R$ 11 milhões do programa municipal Cheque Cidadão, de assistência a famílias carentes, quando era secretário do governo de sua mulher, Rosinha, em Campos. O valor iria para um esquema em que eram distribuídos cartões eletrônicos no valor de R$ 200, cada, para eleitores em potencial de candidatos a vereador.

A prisão desta quarta, de acordo com o juiz, acontece porque o grupo político de Garotinho continua ameaçando testemunhas e destruindo provas.

O magistrado condenou ainda o ex-governador à prisão em regime fechado por corrupção eleitoral, associação criminosa e supressão de documentos públicos. No entanto, é aguardado um julgamento na segunda instância.

Comente com o seu Facebook

To Top
error: Conteúdo protegido.