Banner-720x91_1.gif

Rio está longe de uma “situação confortável”, diz Paes sobre covid-19

-

- Siga o nosso Instagram -

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, disse que a cidade ainda está longe de uma “situação confortável”, em relação à pandemia de covid-19, e que não é para esperar que a administração do município corra atrás das pessoas nas praias, para fazer cumprir as medidas restritivas que impedem a permanência de frequentadores nas areias durante o fim de semana.

De acordo com as medidas, prorrogadas por meio de decreto até o dia 10 de maio, no sábado e no domingo fica permitida apenas a prática esportiva individual, como caminhadas e surf. Já de segunda a sexta-feira, os banhistas podem permanecer nas praias e está permitido também o trabalho de ambulantes fixos e os que circulam na areia. O decreto do prefeito do Rio, Eduardo Paes, com a prorrogação foi publicado hoje (30) no Diário Oficial do Município.

- Informe Publicitário -

“Já temos a cidade bastante aberta, enfim, as atividades econômicas podendo funcionar quase na sua plenitude. Existem algumas restrições sendo impostas ainda, principalmente esse negócio da praia no fim de semana. A gente está permitindo que as pessoas possam fazer as suas práticas esportivas e o seu lazer na praia. Durante a semana pode ficar, no fim de semana, não. Mas não esperem que a gente vai ficar também correndo atrás das pessoas nas praias. É uma tentativa de minimizar grandes aglomerações e grandes deslocamentos nos fins de semana”, disse hoje (30), durante a apresentação do 17º Boletim Epidemiológico da Prefeitura do Rio.

Na avaliação da prefeitura, como o número de casos suspeitos de síndrome gripal e de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) nas redes de urgência e de emergência, que apresentava queda, se estabilizou em um nível ainda alto nos últimos dias, o prefeito decidiu continuar com as restrições em vigor e foi mantida também a classificação de risco muito alto. Paes lembrou que esse é o dado que a prefeitura observa para decidir sobre as medidas restritivas a serem adotadas no município.

“A gente nota que, infelizmente, há uma certa estabilizada nesta curva, mas mantendo um platô bastante alto. Só olhar a curva que a gente vê isso. Tomamos as medidas com bastante antecedência quando começou a ter um aumento na rede de urgência e de emergência. Esse dado é o mais primário de todos. Ali, começa a se identificar que as pessoas podem estar contraindo a doença. A gente se animou quando há umas três semanas ele parou de crescer e começou a cair um pouco, mas agora deu uma estabilizada. Mais uma vez esse é o dado que está mais nos norteando”. observou.

Paes disse que também é avaliado o número de óbitos, que é o dado final que ninguém quer que exista, mas é muito importante entender que ainda há uma incidência muito grande de pessoas procurando a rede municipal de saúde com sintomas da doença. “Isso mostra que a gente está longe de estar em uma situação confortável, por isso, a manutenção das medidas restritivas, permitindo que a cidade funcione. A gente sabe que não dá para fechar tudo para todo o sempre”, pontuou, alertando para a gravidade do comportamento da doença.

“A gente chama novamente a atenção das pessoas para que tenham esse cuidado, esse zelo. É uma situação melhor do que era quando a gente começou a impor medidas restritivas, mas ainda não é uma posição de situação confortável”.

- Informe Publicitário -

Rio está longe de uma “situação confortável”, diz Paes sobre covid-19

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- Informe Publicitário -

MAIS LIDAS

Leia tambémRELACIONADAS
Destaques