Foto: Divulgação

A crise na Faetec vai ganhar mais um capítulo. Irritados com os problemas estruturais, principalmente com a falta de almoço e lanche, os alunos e funcionários convocaram uma assembleia para a próxima quarta-feira, na unidade de Quintino, a partir das 14h. Durante essa sessão, os estudantes podem ainda entrar em estado de greve e planejam também fazer um ato unificado no dia 2 de março.

Em Campos, durante a última semana tivemos vários protestos de escolas da rede FAETEC e também de outras escolas estaduais, como a Escola João Pessoa. Segundo informações, ainda existe possibilidade de escolas como Nilo Pessanha e Félix Miranda também aderirem ao movimento de protestos.

As reclamações vão desde falta de alimentos para os estudantes até falta de serviços básicos como porteiro e equipe de limpeza.

“Eles reduziram a comida da escola, mandaram menos peixe. O almoço de terça-feira era peixe e de quarta-feira era frango. Mas tinha poucos ingredientes e eles tiveram que pegar do estoque de quarta-feira para nos dar na terça-feira. Os produtos não deram para todos os alunos”, reclamou o estudante do 3º ano do Ensino Médio.

Outra reclamação de Daniel foi que os professores estariam proibidos de comer antes das 13h. Segundo a aluna Livia Fernandes, de 16 anos, essa determinação também foi imposta na Escola Técnica Santa Cruz. “Eles já deram esse aviso”, acrescentou.

Já o presidente da Faetec, Wagner Victer, negou todas essas afirmações. Ele disse que a rede de escolas segue a legislação e “nenhuma unidade deixou de repor suprimento para a alimentação escolar”. O presidente contou ainda que os colégios receberam os alimentos no último sábado.

“O que acontecia era que muitas pessoas de cursos que não tinham direito à alimentação, como superior e cursos de qualificação, queriam comer. E isso foi cortado. Mas para o ensino básico escolar temos alimentos, sim. As unidades estão abastecidas para 10 dias de aulas. Não recebemos nenhuma reclamação das direções”, afirmou.

Além disso, Victer negou que as escolas tenham proibido os professores de se alimentarem antes das 13h. “Não existe nada em relação a isso, nenhuma limitação ou ordem”, destacou.

Fonte : O Dia/Adaptado
Comente com o seu Facebook
COMPARTILHAR