Br

Presidente do TCE que é amigo da família Garotinho, é conduzido coercitivamente para a sede da PF

O presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio, Jonas Lopes, foi conduzido coercitivamente para a sede da Polícia Federal do Rio de Janeiro na manhã desta terça-feira (13) para prestar depoimento.

Segundo a deleção premiada de Leandro Azevedo, ex-diretor da Odebrecht no Rio, Jonas Lopes pediu dinheiro para aprovar contratos que favoreciam a empresa. Os pedidos envolveriam o Maracanã e a Linha 4 do Metrô do Rio.

A Operação Descontrole foi deflagrada, nesta terça, com o objetivo de investigar os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro que teriam sido praticados por Jonas e outras vinculadas e ele. A ação é resultado de investigação da Força-Tarefa da Operação Lava Jato no Estado do Rio de Janeiro.

Outras duas pessoas também foram conduzidas coercitivamente para a sede da Polícia Federal. Quarenta policiais federais ainda cumprem dez mandados de busca e apreensão.

AMIZADE COM A FAMÍLIA GAROTINHO
Jonas Lopes é um velho conhecido da família Garotinho. No ano de 2015, o Presidente do TCE-RJ passou o natal na casa da família no bairro da Lapa, em Campos. Além da velha amizade. Jonas Lopes também foi sócio de Garotinho e Rosinha em três empresas, todas extintas. Lopes foi ainda assessor de Garotinho na Prefeitura de Campos (RJ) e tesoureiro da campanha para o governo, em 98.

Quando Garotinho assumiu o governo do estado, nomeou Lopes secretário-chefe do Gabinete Civil. No início de 2000, Lopes foi um dos acusados de integrar um esquema de corrupção no governo. Chegou a ser investigado pelo Ministério Público Estadual, mas nada ficou provado contra ele. Em abril de 2000, assumiu o cargo no TCE, por indicação de Anthony Garotinho..

Comente com o seu Facebook

To Top
error: Conteúdo protegido.