BLOG DO FABRICIO NASCIMENTO

Opinião, artigos e bastidores da política
ClickCampos.com/Fabricio

Mudança no Transporte de Campos deve acabar com passe livre para estudantes

A mudança realizada no Transporte Público divulgada no Diário Oficial do município nesta segunda-feira (02), acabando com algumas linhas para distritos, pode ter efeitos muito mais grave do que parece. O encerramento de linhas de ônibus com itinerário para localidades mais afastadas, fará com que estudantes e até mesmo trabalhadores fiquem sem o passe livre.

Conforme adiantamos no dia 19 de setembro aqui no ClickCampos, quem fará o itinerário para localidades afastadas vão ser as vans e microônibus. Porém, o Instituto Municipal de Trânsito e Transporte (IMTT) inicialmente homologou apenas a empresa Anda Campos para gerenciar as passagens, deixando outras empresas, incluindo a Rio Card Mais de fora. No entanto, estudantes da rede federal e parte da rede estadual utilizam o Rio Card Mais como bilhete de passagem para passe livre. Diversas empresas privadas também oferecem o Rio Card Mais aos seus funcionários como forma de vale transporte.

Com a nova mudança no transporte, os passageiros com passe livre vão poder fazer o trajeto terminal x rodoviária sem pagar passagem. O trajeto terminal x localidade não poderá ser feito de maneira gratuita, caso a Prefeitura mantenha a mudança realizada, já que a empresa Rio Card Mais ainda não instalou os seus validadores, já que a homologação do serviço foi feita há poucos dias e sequer foi publicada em Diário Oficial. Os estudantes só devem voltar a ter o passe livre para as localidades do interior depois que os validadores forem instalados, o que até o momento sequer teve início. Apenas linhas de dois setores tiveram o validador da Rio Card Mais instalado.

Em agosto, divulgamos aqui no ClickCampos com exclusividade que a empresa Anda Campos foi criada durante o processo licitatório, cerca de um mês antes de iniciar suas atividades no município. Além disso, os seus donos não possuíam nenhuma experiência no ramo. A empresa irá gerenciar quase R$ 10 milhões mensais, mas possuía capital social de cerca de R$ 100 mil, muito abaixo do que é exigido.

Relacionados

ÚLTIMAS POSTAGENS

error: Conteúdo protegido.