Politica

Garotinho diz que pedido de impugnação de candidatura ‘tem argumento muito frágil’

Depois do Ministério Público Eleitoral ingressar com pedido de impugnação da chapa de Garotinho, o candidato do PRP se defendeu, dizendo que a promotora do caso teve “criatividade digna de Gloria Perez” (autora de novelas da GLOBO), e afirmou que está elegível porque a condenação não citaria enriquecimento ilícito de agente público. Na tarde desta segunda-feira, Garotinho fez uma caminhada, no centro de Nova Iguaçu.

O MPE pediu a inegibilidade de Garotinho baseado em sua condenação no processo sobre desvios de R$ 234,4 milhões da secretaria de Saúde em 2005 e 2006, quando ele era secretário de Estado do governo Rosinha. O caso já foi julgado em segunda instância. Garotinho se defende em duas frentes, primeiro atacando o acórdão e depois dizendo que, mesmo se a condenação for mantida, ele estaria elegível.

— O argumento é muito frágil, eles criaram a figura do enriquecimento ilícito de terceiros. Eu nunca havia ouvido essa tese. Sobre a elegibilidade, é ponto pacífico. A Lei da Ficha Limpa diz que tem que ter enriquecimento ilícito do agente público. Até agradeço ao MPE por ter reconhecido minha honestidade, já que não houve enriquecimento ilícito meu.

A defesa de Garotinho tentou suspender o acórdão da condenação, o que foi rejeitado pelo STJ na última sexta. Para o ministro Benedito Gonçalves, que deu a decisão, é necessário esperar primeiro o julgamento do recurso dentro do TJRJ, antes que o caso seja encaminhado ao STJ.

“Criatividade digna de Gloria Perez”

Nessa segunda, Garotinho manteve o discurso de vitimização que vem adotando desde a sua primeira prisão. Ele insinuou que os processos seriam uma forma de retaliação por causa das críticas que ele fez ao judiciário fluminense durante o governo Cabral, que, para Garotinho, teria sido acobertado pelo Ministério Público.

— Todos advogados dizem que esse caso se trata de nulidade absoluta. Fui julgado sem advogado, de repente, tudo. Muito estranho. Essa condenação não existe. É uma capacidade inventiva da promotora, criatividade digna de Gloria Perez. Historia que so é possivel na cabeça dela.

Mais uma vez, o candidato escolheu um município que abrigava um de seus projetos mais famosos, o Restaurante Popular, para fazer o corpo a corpo com eleitores. Foi justamente em frente ao antigo estabelecimento, que está fechado, que ele começou a agenda dessa segunda. Ao fazer um live, ele criticou Sergio Cabral pelo desfecho do espaço. Atualmente, os restaurantes populares só existem em Bangu, Bonsucesso, Campo Grande e Niterói.

— É mais uma vergonha do governo Cabral (o restaurante fechado). No nosso programa consta, após o saneamento financeiro do estado, a retomada de todos os programas populares, como o restaurante, a farmácia popular, o jovens pela paz e o café da manhã na estação. Espero poder, logo no início, repactuar o plano de recuperação fiscal, que só traz prejuízo incalculável ao estado — afirmou Garotinho, que também se referiu a Pezão como “uma figura decorativa esperando a hora de ser preso”.

Apesar da agenda até aqui focada na Região Metropolitana, Garotinho destacou a importância de pedir voto no interior do estado. Uma das frases que ele costuma repetir é que sua campanha é a “do verbo contra a verba”, o que evidencia a falta de poderio financeiro por trás da chapa. A situação fica explícita na estrutura simples que vem acompanhando o candidato nos eventos. As agendas, por exemplo, não costumam ser divulgadas com muita antecedência.

Ainda assim, Garotinho disse que vai rodar o interior, e que estará no sul do estado nessa quarta.

— Vou a Volta Redonda e Barra Mansa. Semana passada estive em Cabo Frio também. E vamos seguir. Precisamos obedecer a uma lógica proporcional do eleitorado, 72% dos votos estão na Região Metropolitana. Mas claro que o interior merece todo nosso respeito, carinho e nossa visita também.

Com informações d’O Globo.

Comente com o seu Facebook
Garotinho diz que pedido de impugnação de candidatura ‘tem argumento muito frágil’

To Top
error: Conteúdo protegido.