Garotinha aparecia em tabela de propinas como “Bolinha”, “Bolinho” e “Pescador”

Em entrevista coletiva nesta terça-feira, o Ministério Público do Estado do Rio afirmou que o ex-governador Anthony Garotinho figurava na planilha de pagamentos de propina da Odebrecht com os apelidos de “Bolinho”, “Bolinha” e “Pescador”. A empresa contava com um sistema próprio, em um de seus departamentos, que controlava, por meio de planilhas, a entrega de vantagens indevidas. Nela, além de apelidos, havia valores pagos e outras referências.

Rosinha e Garotinho foram presos nesta manhã e foram denunciados pelo MP estadual, acusados de receberem propinas em dois contratos para construção de casas populares em Campos dos Goytacazes. As planilhas foram entregues pelos delatores da Odebrecht.




A Odebrecht contava com sofisticado mecanismo operacionalizado no âmbito do denominado Setor de Operações Estruturadas para o pagamento de propinas. As planilhas extraídas do Sistema Drousys foram entregues pelos réus colaboradores da empreiteira. Nelas, havia o codinome do beneficiário direto, valor, data do pagamento e, em alguns casos, até mesmo a obra vinculada ao pagamento da quantia, por exemplo, “Casas Campos II”. O MP informou não ter como precisar como foi feita a divisão da propina e nem como o dinheiro foi gasto.

As investigações apontam que houve o recebimento do valor de R$ 25 milhões em vantagens indevidas pagos pela Odebrecht a título de propina, enquanto a prefeitura amargava prejuízos de, no mínimo, R$ 62 milhões em razão do superfaturamento das obras, que não chegaram a ser concluídas.

Os procuradores informaram que a prisão preventiva dos acusados se justifica em função da possibilidade de haver coação de testemunhas e recolhimento de provas e por conta da influência de ambos no município de Campos.

– O que justifica a decretação e a manutenção da prisão preventiva em face de todos os réus é, sobretudo, a conveniência da instrução criminal – afirmou a promotora Simone Sibilio, coordenadora do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), completando: – Um exemplo da conveniência da instrução criminal é quando os réus, quaisquer que sejam acusados, ou ameaçam ou tentam fazer uma devida ingerência na colheita das provas durante o curso do processo. Tendo em vista a peculiaridade e as características dos réus, é notório que eles podem evidentemente, através de várias ações, fazer ou ameaça ainda que psicológica ou algum tipo de manejão com relação a essas testemunhas que foram arrolada.

- Participe -
- Anúncios -

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido.