Blogs

Empresas de ônibus não acreditaram no fim da Passagem Social e não respeitaram os passageiros

A paralisação – ou fim – do programa Passagem Social gerou grande revolta na população, que por hora culpou o poder público municipal. A decisão da Prefeitura de Campos  evidenciou o que já era visto há algum tempo: O grande descaso das empresas de ônibus com os passageiros.

Desde a criação do programa pela ex-prefeita Rosinha Garotinho, mais de R$ 300 milhões foram repassados para as empresas e pouca – quase nenhuma – melhoria foi vista pelos usuários do transporte público em Campos. Além da falta de melhorias, constantes atrasos salariais foram registradas nesse período, mesmo com mais de R$ 300 milhões investidos. O serviço prestado pelas empresas de ônibus sempre foi tão ruim que os passageiros preferiam pagar cerca de R$ 0,50 a mais e utilizar as vans.

Falando em vans, o transporte alternativo em Campos foi alvo de operações de fiscalização em 2017 e se adequou ás exigências do Instituto Municipal de Transito e Transporte (IMTT). Já nos ônibus, é comum ver superlotados, não oferecendo segurança aos passageiros e não respeitando as exigências do órgão municipal, e nada foi feito.

A paralisação do programa não será bom nem para o povo, nem para a imagem política do prefeito Rafael Diniz e também para as empresas de ônibus. Mas sem dúvidas, a decisão é necessária para que sejam tomadas medidas para melhoria do transporte público em Campos. Se existe algum culpado para a decisão da Prefeitura, podemos dizer que foi quem não respeitou os passageiros e não cumpriu o que foi acordado com o poder público municipal.

Comente com o seu Facebook

To Top
error: Conteúdo protegido.