Candidato à presidente do SIPROSEP critica gestão de Rafael Diniz e prega união de servidores

Na próxima sexta-feira (21), servidores da Prefeitura de Campos vão ás urnas para escolherem entre duas chapas, quem irá representar a classe nos próximos quatro anos. Durante a semana realizamos contato representantes das duas chapas, que são capitaneadas pelo servidor Alexandre Stoller (Chapa 1) e Elaine Leão (Chapa 2).

Confira abaixo o nosso bate papo com Alexandre Stoller, servidor há 16 anos no município de Campos, atuando no Hospital Ferreira Machado (HFM).

- Advertisement -

ClickCampos – Qual foi o seu critério na montagem da chapa, que caso eleitos, dirigirão o sindicato junto com você?
ALEXANDRE STOLLER – Hoje temos um projeto sólido para renovação no SIPROSEP e procuramos ter pessoas com o mesmo pensamento. Busquei ter ao meu lado na formação da chapa, pessoas competentes, e principalmente, pessoas que assim como eu, tenham a vontade de fazer o melhor para o nosso servidor que vem sofrendo nos últimos anos com os desmandos da gestão municipal.

ClickCampos – Independente do resultado da eleição da próxima sexta-feira, quais devem ser as principais bandeiras de luta da categoria na próxima gestão?
ALEXANDRE STOLLER – São várias frentes de lutas que o SIPROSEP deve atuar. Caso nossa chapa saia vitoriosa do pleito da próxima semana, acredito que temos que lutar pela volta do plano de saúde do servidor, do plano de cargos e salários, um novo enquadramento de categorias, o auxílio previdenciário dos aposentados, incorporação das gratificações de várias categorias, reajustes e outras mais que irão aparecendo no decorrer do mandato.
O importante é que tenhamos uma luta em conjunto, em prol do nosso servidor.

ClickCampos – Você fez parte da gestão de Sérgio Almeida na presidência do sindicato. Ao mesmo tempo, você utiliza o discurso de renovação. Como você demonstra ser uma renovação? Não existe uma incoerência no seu discurso?
ALEXANDRE STOLLER – Fiz parte da gestão do Sérgio sim. No entanto, meu pensamento é diferente do dele e sempre destaquei isso ao longo desta caminhada.
Me sinto totalmente capaz de liderar o sindicato, mas para isso, temos que ter novos projetos, abrir o sindicato aos servidores, fazer um Sindicato itinerante, próximo ao servidor, ouvindo as demandas e buscando solucioná-las.
Acredito que devido á crise e cortes de direitos, falta de reajustes, entre outros problemas que o servidor vem enfrentando, chegou a hora de deixar o SIPROSEP cada vez mais próximo do nosso servidor, e ao mesmo tempo, nos tornarmos cada vez mais forte.

ClickCampos – Atualmente existem pessoas na atual gestão do SIPROSEP com ligação com o governo municipal. Como você avalia a relação da gestão de Rafael Diniz com os servidores e as suas reivindicações? 
ALEXANDRE STOLLER – A relação é péssima! Hoje em Campos, os governantes tratam os servidores como inimigos. Temos que mudar essa imagem. Os servidores não querem nada demais, querem apenas seus direitos. Não podemos ficar tanto tempo sem reajuste salarial e não buscarmos diálogos, como algumas pessoas pregam.
Infelizmente a atual gestão municipal preferiu ir ao embate com o servidor, o que fez com que não cumprisse nem com o aumento que propôs.
Mas acredito que chegou a hora de dar um basta nestas condições e retomar o diálogo, independente de quem seja o governante. O servidor tem que ser respeitado e valorizado, e isso não estamos vendo nos últimos anos.

ClickCampos – Plano de Cargos e Salários. Como você avalia a política da atual gestão da Prefeitura em relação a essa temática? O que pode ser feito?
ALEXANDRE STOLLER – A progressão desde 2015 e, tirando a educação, o restante dos servidores não tiveram ainda as suas progressões.
O tema já está na justiça e tentaremos negociar uma saída para esse problema com o governo, servidores e sindicato. O importante é que qualquer decisão que seja tomada em prol do servidor, seja feita de maneira rápida. A crise está cada vez mais grave em nosso município e não é justo que os nossos servidores, que dedicam suas vidas ao atendimento publico, sejam atingidos dessa forma como vem sendo feito.
Entendemos que existe crise, mas a crise é para todo mundo, inclusive para o servidor. Ninguém está pedindo algo que não é apenas o seu direito.

ClickCampos – Os servidores da área da saúde constantemente se manifestam em relação a insalubridade e más condições de trabalho. Através do sindicato, o que pode ser feito de imediato e como solucionar o problema?
ALEXANDRE STOLLER – Precisamos fazer um levantamento da situação de insalubridade dos setores. Não é aceitável que as emergências dos dois maiores hospitais públicos do município, que por sinal são os maiores da região, tenham a insalubridade o menor possível.
Como disse anteriormente, o servidor precisa ser respeitado e ter força para dialogar com os nossos governantes, para que assim, tenhamos poder de negociação e possamos ser respeitados novamente.

ClickCampos – Você é considerado por alguns como “candidato linha dura”, por prometer embates com a prefeitura. Como seriam esses enfrentamentos? Greve, ajuizamento da demandas, manifestações?
ALEXANDRE STOLLER – Primeiramente vamos tentar negociar, sempre prezando pelo diálogo. Caso não tenhamos sucesso, realizaríamos manifestações, posteriormente greve e depois ajuizamento das demandas. O que não podemos fazer é, se eleitos representantes dos servidores, cruzarmos os braços e deixar tudo como está.
Quando falamos em renovação do sindicato, é exatamente renovar as forças do servidor. Renovar o sentimento de que é possível termos dias melhores. E entendemos que a melhor opção de renovação dentro do atual cenário é com a Chapa 1.

ClickCampos – Uma das suas propostas é a criação de um sindicato itinerante. Como um sindicato itinerante atuaria? Qual a necessidade do servidor ter um sindicato itinerante? Quais benefícios reais ofereceria ao servidor?
ALEXANDRE STOLLER – Sindicato itinerante seria um Sindicato mais próximo aos servidores, um Sindicato dentro das próprias secretarias, ouvindo as demandas e necessidades dos nossos servidores. Com essa aproximação, tornaríamos o nosso sindicato mais humanizado e teríamos a possibilidade de resolver as demandas dos nossos servidores de maneira mais rápida e eficaz.

ClickCampos – Entre as propostas de vocês nesse período eleitoral, está a criação de um “Centro interativo do servidor”, que seria basicamente um clube com piscina, campo com grama sintética, entre outras coisas. Tendo em vista que a principal fonte de receita do sindicato, que era a contribuição obrigatória, teve fim após a reforma trabalhista, como você pretende viabilizar a construção de um local como este? Não é uma promessa irreal aos eleitores?
ALEXANDRE STOLLER – Não, não é! Conseguiríamos fazer com uma gestão mais enxuta, com gastos mais controlados. Além de parcerias que já estamos negociando e se eleitos, iremos começar a construção de maneira imediata, ainda em 2020.
Temos parcerias fechadas com alguns médicos, fisioterapeuta e outros profissionais que nos auxiliariam nesta demanda.
Além da construção do espaço, também temos o projeto de restauração de todo o patrimônio do sindicato, inclusive a sua sede principal.

ClickCampos – A gestão de Sérgio Almeida é contestada por algumas alas sindicalistas e você propõe mudanças no estatuto sindical junto aos servidores. Quais mudanças você encara como primordiais?
ALEXANDRE STOLLER – Temos a consciência que o nosso estatuto precisa de mudanças de maneira urgente. Deixo claro que sou favorável ao fim da reeleição ao cargo de presidente,  para que nem eu e nem ninguém se perpetue no poder. Também entendo a necessidade de conceder prazo para votações. Temos também como principal objetivo tornar o nosso sindicato mais enxuto financeiramente, entre outras mudanças que são necessárias nesta renovação.
O objetivo de qualquer medida que venhamos a tomar deve ser tornar o nosso sindicato mais forte e mais atuante, representando e respeitando a nossa classe que não pode mais sofrer com desmandos de nenhum gestor público, como vem sendo feito em Campos nos últimos anos.

- Participe -

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido.