Aliados da base governista começam a ensaiar abandono ao governo Diniz

Já começaram as movimentações de aliados do prefeito na Câmara que vem causando certa preocupação no prefeito Rafael Diniz. O governo atualmente possui ampla maioria na casa, que vem lembrando os tempos de “puxadinho rosáceo”, mas já tem vereador querendo pular o barco, ou deixar a sua imagem mais distante do governo.

Na última semana, uma discussão pública entre o Dr. Ivan Machado e o presidente da Câmara, Fred Machado, escancarou que o clima entre os dois não é o melhor. Ivan apesar de ter sido eleito com apoio do grupo do governo anterior, vem caminhando alinhado com o governo de Rafael Diniz. O partido dele inclusive atualmente faz parte da base do governo, mas há quem garanta que ainda existam conversas na comitiva estadual para que o partido não caminhe com Rafael em 2020, mesmo tendo a atual direção municipal completamente aliada ao governo Rafael Diniz.

Além de Ivan, quem entrou no foco foi Fabinho Almeida. O vereador do mesmo partido do prefeito, protocolou ontem um pedido para que o prefeito encaminhasse para a Câmara o reajuste dos servidores já para o mês de maio. Acontece que horas depois, a Câmara foi informada que o prefeito recuou e não concederá reajuste aos servidores. A atitude do vereador, que até o momento não deu indícios de que “pularia do barco”, não foi vista com bons olhos pela ala governista e por outros vereadores.

Procurado pelo ClickCampos, Fabinho declarou, “Ao protocolar no Gabinete do Prefeito um oficio requerendo o ajuste dos servidores para o mês de maio estava simplesmente defendendo uma de minhas bandeiras que é o Servidor Público. Jamais busquei criar mal estar com a base do governo com o oficio. Continuo no governo do Prefeito Rafael Diniz e prosseguirei, bem como continuarei na luta por nossa categoria”, explicou.

Fazendo justiça, a insatisfação com o governo é geral nos bastidores. Seja por vereadores ou cargos de confiança. Todos sabem que do jeito que o governo vem caminhando será muito difícil uma reeleição. Além disso, o vereador que vincular sua imagem ao governo, poderá sofrer consequências na urna, e assim como em maio de 2015, a base do governo deve começar a ruir.

Exatamente em maio de 2015, Rosinha Garotinho viu sua base na Câmara começar a ser minada. A voz das ruas pressionou a casa de leis naquele período, onde até mesmo escudeiros fiéis como Albertinho, chegaram a ensaiar abandonar o navio que naufragava naquele momento. O naufrágio não foi controlado e o resultado final todos já conhecem.

Apesar de já ter passado dois anos e 7 meses da vitória histórica nas urnas, onde Rafael Diniz saiu de 2% para ganhar ainda no primeiro turno contra a máquina garotista, ainda tem secretário que acredita em uma segunda onda, uma virada, uma curva positiva no gráfico da rejeição. Talvez esteja faltando rua para os secretários do alto escalão e também para o prefeito.  A realidade vivida pelos mesmos, o discurso propagado, a narrativa adotada, é muito diferente da realidade da rua. E vale lembrar que Diniz foi eleito pela rua, por olhar olho no olho, nao de cima para baixo, como ele mesmo disse em um debate.

O prefeito tem enormes desafios pela frente, mas o maior deles será sair da bolha que se colocou. Quem critica não é ‘Garotista’. O que falta é a equipe do governo ser mais realista.

- Anúncios -

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido.