A taxa de desemprego no Brasil atingiu 13,2% no trimestre encerrado em fevereiro, segundo informação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ainda segundo o IBGE, com esse resultado, o Brasil tem 13,5 milhões de pessoas desocupadas.

O Brasil definitivamente foi atingido em cheio por uma crise que ainda apresenta resistência e apesar dos esforços do governo para reverter suas consequências, os índices variam sem grandes melhoras e soluções a curto prazo parecem não existir. Postos de trabalho tem sido extintos em todo o país e empresas de todos os portes tem cortado bruscamente seus gastos.

Devido a dificuldade de encontrar espaço no mercado de trabalho convencional, outros mercados estão crescendo, como é o caso do Marketing de Rede que é considerado um dos negócios que mais crescem em tempos de crise. Hoje já existem grandes empresas operando no Brasil e trazendo resultados satisfatórios aos profissionais que desenvolvem esse modelo de negócio.

Já existe uma quantidade significativa de brasileiros que atuam no Marketing de Rede como atividade principal de renda,  como é o caso de Gabriel Sousa que atua na área a pouco mais de um ano:

Gabriel Sousa, profissional na área de marketing multinível a pouco mais de um ano

“Comecei a desenvolver esse negócio com o objetivo de gerar uma renda extra e com o tempo se tornou minha atividade principal. O que me atraiu no começo foi a possibilidade de investir em um negócio próprio com um baixo investimento e baixo risco, podendo trabalhar fazendo meu horário para que pudesse conciliar com a faculdade sem grandes problemas, mas em pouco tempo eu enxerguei potencial e comecei a lucrar significativamente logo nos primeiros meses. Hoje trabalho menos do que trabalharia no mercado convencional, ganho mais do que ganharia nele e tenho uma grande perspectiva de crescimento. Com isso consigo dedicar mais tempo a minha família e a nossa qualidade de vida. Sem dúvida foi o melhor investimento que eu poderia ter feito.”

Segundo a Direct Selling Association (WFDSA) o Marketing de Rede já representa 27% do PIB Americano, 24% do PIB Japonês e continua a crescer nesses e em outros países. Além disso, esse modelo de negócio possui entusiastas de peso e notoriedade no mundo dos negócios, como por exemplo o empresário bilionário e atual presidente dos EUA, Donald Trump. Além do crescimento exponencial do seguimento, novos investidores tem sido atraídos pelo investimento baixo se comparado ao de grandes franquias e o rápido retorno financeiro.

Mesmo sendo um excelente mercado para investimentos é bom estar atento a algumas coisas importantes para que tudo ocorra bem, como adverte o acadêmico em economia Leonardo Fonseca:

Leonardo Fonseca, acadêmico em economia pela Universidade Federal Fuminense

“Esse tipo de negócio tem sido realmente uma alternativa viável, principalmente pela oportunidade de retornos rápidos, mas é importante que os que forem investir se atentem a alguns detalhes importantes, como verificar se empresa é devidamente reconhecida pela ABEVD (Associação Brasileira das Empresas de Venda direta), que garante a legalidade e a sustentabilidade do negócio. Além disso é bom que todos saibam, que como qualquer outra atividade econômica autônoma, os ganhos dependem do trabalho e os resultados não vão aparecer se não houver esforço.”

Investindo de forma consciente, com um modelo de desenvolvimento de negócio bem definido, uma empresa séria e consolida no mercado e com o apoio de profissionais experientes para prestar o devido aconselhamento, o Marketing de Rede pode ser sim uma alternativa excelente para quem busca fugir das estatísticas do desemprego e abrir o próprio negócio sem grandes burocracias e custos.

Comente com o seu Facebook