As atividades das testemunhas de Jeová estão na mira do governo da Rússia, que pediu à Justiça que proíba toda e qualquer prática da organização religiosa, que já conta com 175 mil seguidores no país.

O Ministério da Justiça solicitou ao Supremo Tribunal a proibição do Centro de Direção das Testemunhas de Jeová na Rússia, após investigar sua atividade, que considera “contrária às leis russas e aos próprios estatutos da organização”.

— Não entendemos que objetivo as autoridades perseguem. Nos parece sem sentido. Achamos que se trata de um equívoco […] e o Ministério da Justiça retirará sua ação — disse à Agência Efe o porta-voz da comunidade religiosa na Rússia, Ivan Belenko.

As testemunhas de Jeová temem que o governo tenha traçado como meta liquidar a totalidade de seus 2.200 grupos religiosos e 400 organizações locais. Tudo indica, no entanto, que eles já têm os dias contados na Rússia, uma vez que o Supremo respaldou no passado a proibição desta prática religiosa em várias regiões e cidades.

Em todos os processos judiciais contra a organização, as autoridades a incriminaram pelo armazenamento e difusão de literatura religiosa de caráter extremista.

— Todas as decisões judiciais contra nós se baseiam em uma única acusação: que alguns de nossos livros e discursos estão na lista de literatura extremista que existe neste país — explicou Belenko.

O porta-voz denunciou que as decisões de incluir determinadas publicações na lista negra “foram tomadas com base em opiniões de falsos analistas”.

Uma citação do filósofo espanhol Miguel de Unamuno esteve a ponto de se transformar em motivo legal para proibir uma de suas organizações territoriais, segundo o porta-voz das testemunhas de Jeová.

— Unamuno escreveu que para crer na imortalidade da alma é preciso desejá-la, e o desejo deve ser forte o bastante para silenciar a voz da razão. Incluímos a citação em um discurso e a procuradoria nos acusou de extremistas. Só na última hora alguém retirou a denúncia, seguramente por respeito ao filósofo — lembrou Belenko.

A notícia, no entanto, chegou aos veículos de comunicação oficiais, que nos últimos anos embarcaram na onda propagandística que elogia a Igreja ortodoxa russa e critica movimentos religiosos minoritários, como as testemunhas de Jeová e os mórmons.

— Cada vez que os veículos de comunicação informam que algumas de nossas publicações foram incluídas nas listas de literatura extremista, nossos crentes são vítimas de atos violentos por parte de radicais — lamentou Belenko.

Com informações do jornal O Globo

Comente com o seu Facebook