Uma briga entre torcedores do Botafogo e do Flamengo antes do clássico de ontem (12) deixou sete pessoas feridas e um morto. O botafoguense Diego Silva dos Santos, de 28 anos, foi baleado após um carro passar pela Ala Norte do Estádio Nilton Santos, onde ocorreu a partida, efetuando disparos contra a torcida alvinegra.

Os feridos foram levados para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, zona norte do Rio, próximo do estádio. Cinco deles já foram liberados e dois permanecem na unidade. Ambos apresentam quadro estável e estão em observação, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.

De acordo com a Polícia Militar (PM), o Grupamento Especial de Policiamento em Estádios fazia a segurança interna da partida, com apoio de militares das Unidades do 1º Comando de Policiamento de Área. As ruas de acesso foram patrulhadas pelo 3º Batalhão da PM,) com apoio do Batalhão de Ação com Cães e do Batalhão de Polícia de Choque. Após o jogo, a PM teve que controlar a saída das duas torcidas para que não se encontrassem.

A Polícia Civil fez perícia no local e instaurou inquérito para apurar detalhadamente as circunstância do crime e a autoria da morte de Diego Silva dos Santos, além das lesões corporais sofridas por dois homens, atingidos por tiros de arma de fogo. Diego foi socorrido e encaminhado para o hospital, mas não resistiu e morreu.

O Botafogo, por meio de nota, lamentou a morte do torcedor. O clube, que perdeu a partida por 2 a 1, prestou solidariedade aos familiares e amigos da vítima. “Toda a violência que cercou o clássico, deixando feridos e prejuízo, é repudiada pelo Botafogo. Para o clube, futebol começa com paz nos estádios e segurança para os torcedores. O clima de insegurança e medo não pode jamais combinar com o esporte”, diz a nota.

Já o Flamengo se manifestou no Twitter: “lLmentamos a morte do torcedor e os [incidentes] ocorridos no Engenhão. Paz sempre. O futebol é alegria”.

Violência no futebol

Há exatamente uma semana, o torcedor do Fluminense Pedro Scudieri foi agredido na cabeça com uma barra de ferro por um grupo de torcedores do Vasco após voltar de um jogo do seu time. Pedro estava na Tijuca, zona norte do Rio, quando foi atacado.

A partida a que o jovem havia assistido foi em Duque de Caxias, Baixada Fluminense, mais de 20 quilômetros de distância. Scudi, como é conhecido, está internado no Hospital do Carmo, centro do Rio. As torcidas dos quatro maiores clubes cariocas fazem campanha para doação de sangue ao torcedor, cujo estado de saúde  é grave, porém estável.

Comente com o seu Facebook